Acabei de voltar de férias de Ilhéus, na Bahia com a cabeça cheia de novas ideias para construções rústicas de beira de praia! Nem tanto por Ilhéus, que é uma cidade bastante antiga e sem estrutura que faz lembrar bastante o centro histórico de Salvador, mas pelo hotel especificamente que ficamos, o Eco Village Indaiá e pela maravilhosa cidade de Itacaré, que fica há alguns quilômetros de Ilhéus.

O hotel tem uma infraestrutura linda, com o restaurante e cabanas com cobertura de sape, além da opção de se hospedar nos apartamentos também. A proximidade com a praia chega a assustar! Tem algumas opções de lazer como quadra de futebol, piscina, parquinho e alguns animais diferentes que passeiam pelo jardim livremente. A localização dele é boa, fica bem ao lado dos resorts Tororomba e Cana Brava, onde a praia é águas rasas porém agitadas.

E já que eu comecei a falar sobre o hotel todo, vale também ressaltar que ele tem um grave problema, na minha opinião, que é o serviço do restaurante. O café da manhã é… digamos… básico e sem muito capricho. Não quero dizer luxo, mas parece feito sem muito amor, sabe? Como comparação, passamos uma noite numa pousada muito menor, mais simples e barata em Itacaré cujo café da manhã era extremamente caprichado e esse é um item das maiores importâncias pra mim, que gosto de tomar café pra valer, adoro! Então a primeira manhã de café da manhã no Indaiá me deixou meio tensa! Eu pedi um leite gelado, que não estava servido na mesa e me trouxeram uma caixa de leite em temperatura ambiente, o pão de queijo coitado, não conhece Minas Gerais, o pão de sal meio seco, a manteiga não é manteiga, mas margarina (da pousada de Itacaré também) e eu não consegui comer uma rabanada de tão engordurada.

O problema com a alimentação não acaba aí: quando chegamos fomos informados que o restaurante ficava aberto da hora do almoço até às 20h. Certo dia, era por volta de 4h da tarde e a Nina estava com muita fome. Fui até o restaurante para pedir um lanche pra ela e o que ouvi foi que ele estava fechado, que eu esperasse reabrir às 18h. Voltei para o quarto indignada! Como eu iria alimentar minha filha se eu estava num hotel distante de qualquer coisa e sem carro? Chegamos a esperar alguns minutos mas aquilo me incomodou tanto que voltei lá para reclamar. Não aguentei! Chegando lá dei de cara com o dono, que sorte! Conversei com o italiano que se desculpou, explicou que a informação que recebemos tinha sido um engano – o restaurante não ficava o dia todo aberto – e prontamente mandou que solucionassem o nosso problema.

Vamos lá: não tem problema o restaurante não ficar aberto o dia todo, mas eu não estava preparada para aquela situação, sabe? Quando a gente tem criança a coisa muda de figura e os cuidados com a alimentação são diferentes, quem tem filho sabe! Mas enfim… resolvemos o nosso problema no dia seguinte de manhã, alugando um carro para o restante dos dias!

Mas retomando ao tema inicial do post… por maiores problemas de alimentação que tivéssemos, a cabana passava por cima de tudo! E foi por isso que eu resolvi fazer um vídeo mostrando todos os detalhes dela!

Espero que vocês gostem, um beijo e até o próximo post!